26.11.2018 | 20h21

Eduardo Bolsonaro fala em ‘calote’ em ditaduras

Em visita à Washington, Eduardo Bolsonaro sinalizou que o governo de seu pai, Jair Bolsonaro, pode pressionar a Venezuela por meio de uma parceria de dois de seus ministérios: o da Justiça, comandado por Sérgio Moro e o Itamaraty, que está nas mãos de Ernesto Araújo. O resultado da união pode resultar, nas palavras do deputado, em “um calote muito grande nesses ditadores”, se referindo a Cuba e a Venezuela.

“Existem diversos instrumentos que o Brasil por anos, de maneira proposital, não levou a sério. São instrumentos que estão à mão. O juiz Sérgio Moro sabe melhor do que ninguém com relação à lavagem de capitais, combate ao crime organizado, Convenção de Palermo. E, junto com a equipe do embaixador Ernesto Araujo, tem muita coisa nessa área. Se você for congelar tudo aquilo que remete e passa pelas ditaduras cubana e venezuelana, pode dar um calote muito grande nesses ditadores”, disse Bolsonaro para o Estadão.


VOLTAR PARA O ESTADÃO