29.04.2019 | 16h53

Economista propõe estímulo ao crédito

O alto número de desempregados registrados pelo IBGE e as reduções nas previsões de crescimento do PIB desfavorecem a aprovação de projetos impopulares como a reforma da Previdência. Em sua coluna para o Estadão, Luis Eduardo Assis argumenta que o governo precisa adotar medidas emergenciais para lidar com a situação e ganhar tempo para articular medidas mais profundas. “A ausência de solução para problemas imediatos poderá impedir a solução de problemas estruturais”, escreve. Dentre as soluções possíveis, o economista propõe estimular o crédito. Para o ex-diretor de política monetária do Banco Central, “há espaço para cortar não só a taxa Selic, como estimular o aumento do crédito mediante a redução dos depósitos compulsórios, o que poderia ser condicionado à efetiva expansão dos empréstimos”.


VOLTAR PARA O ESTADÃO