14.03.2018 | 10h59

Doutor Aluízio é amigo da família, diz Alckmin

Ao negar recebimento de R$ 2 milhões em caixa 2 do departamento de propina da Odebrecht para sua campanha de 2010, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, alega que o ex-conselheiro da empreiteira Aluízio de Araújo era amigo da família havia 30 anos. “Aliás, o doutor Aluízio é amigo da minha família e da família da minha sogra há 30 anos. Nada a ver com questão de natureza eleitoral”, disse o tucano à Folha.

Aluízio, morto em 2014, seria um dos presentes em reunião no escritório do governador, na Avenida Nove de Julho, em 2010, feita para fechar o suposto acerto, de acordo com delação de Carlos Armando Paschoal, ex-funcionário da empresa.


Mais conteúdo sobre:

Geraldo AlckminOdebrecht
VOLTAR PARA O ESTADÃO