02.07.2018 | 09h37

Direita ‘sem vergonha’

O surgimento de partidos e candidatos autodenominados de direita ou conservadores no Brasil causa perplexidade descabida. A opinião é do cientista político Marcus André Mello, que em artigo na Folha analisa o fenômeno como desdobramento do momento anterior em que havia uma “direita envergonhada” no mundo e no País.

“Assim, não há uma nova direita conservadora que adquiriu voz com o Bolsonaro: ela sempre existiu desde o fim do regime militar, com suas verdades privadas”, escreve.


VOLTAR PARA O ESTADÃO