05.03.2019 | 17h59

Desafios do 1º leilão de privatização

O primeiro leilão de privatização do governo de Jair Bolsonaro, marcado para 15 de março, deve render um lance mínimo de R$ 218 milhões de outorga mínima inicial para a União por 12 aeroportos, informa o Estadão. Só que o movimento nos terminais de todo o País sofre para se recuperar da crise. O número de passageiros que circularam pelos dez aeroportos já concedidos à iniciativa privada cresceu 5% no ano passado. Nos terminais que vão a leilão, o movimento avançou 6%.

Nos primeiros cinco aeroportos privatizados em 2012 e 2013, o número de passageiros está 34% abaixo daquele estimado nos estudos de viabilidade. “As previsões iniciais não existem mais. Hoje estamos com 2 milhões de passageiros abaixo do patamar de quando assumimos o aeroporto, em 2014”, afirma o presidente da Riogaleão, Luiz Rocha.


Mais conteúdo sobre:

leilãoaeroportos
VOLTAR PARA O ESTADÃO