04.02.2019 | 13h13

‘Dedo-duro’ é ‘denunciante do bem’

Outra proposta do Projeto de Lei Anticrime do juiz Sérgio Moro, a ser apresentado ao Congresso nos próximos dias, é o de pagar 5% do valor recuperado do crime ao chamado “denunciante do bem”. Segundo a pasta, a medida “auxiliará na coleta de provas em investigações”.

Antes de ser delator, Marcelo Odebrecht costumava dizer que “delator é dedo-duro” sob a alegação de que quando na sua casa “as minhas meninas tinham discussão e tinham uma briga, eu dizia: ‘olha quem fez isso?’. Eu diria o seguinte: eu talvez brigasse mais com quem dedurou do que com aquele que fez o fato”.


VOLTAR PARA O ESTADÃO