28.05.2018 | 10h15

De JK a Temer

Sem ferrovias ou hidrovias, o Brasil vem costurando a crise gerada pelas greves dos caminhoneiros desde que Juscelino Kubitschek preferiu investir em rodovias. A avaliação, repetida diversas vezes nos últimos dias, aparece também no texto de Ricardo Rangel em O Globo.

“De JK para cá, ninguém fez nem faz nada para mudar isso. Somos reféns de caminhoneiros e transportadores, e, cada vez que os interesses dessas categorias convergem, elas se unem para nos chantagear”, escreve o colunista.

 


VOLTAR PARA O ESTADÃO