11.06.2019 | 09h05

Da Vera: Paixões não devem guiar análise do caso

Há muitas implicações políticas, jurídicas e policiais no vazamento de conversas entre integrantes da força-tarefa da Lava Jato e o ex-juiz e hoje ministro da Justiça,Sérgio Moro. E o pior caminho para tentar analisá-las é o das paixões: de um lado, o lavajatismo fanático e, de outro, o petismo cego. Escrevi sobre as peculiaridades do caso, cujas implicações ainda estão longe de serem totalmente conhecidas e previsíveis, em análise nesta terça-feira para o Estadão.

De concreto, por ora: não há elementos, até aqui, para se falar em anulação de provas ou julgamentos. Mas já estão em curso desdobramentos judiciais, políticos (a indicação de Moro ao Supremo Tribunal Federal perde força) e administrativos, com risco a votações de interesse do governo no Congresso, como a reforma da Previdência. / Vera Magalhães


VOLTAR PARA O ESTADÃO