06.11.2018 | 18h17

Da Vera: os porquês de Moro

Sergio Moro apresentou uma narrativa bastante robusta em sua primeira entrevista coletiva depois de aceitar a ida para o Ministério da Justiça. Foi buscar na Operação Mãos Limpas, que pautou toda a sua atuação na Lava Jato, a razão de fundo para ter aceitado: disse que, lá, a despeito de ter havido até mais prisões que aqui, o legado se perdeu por falta de apoio Legislativo e no Executivo.

Refutou as imputações de direcionamento político em sua atuação, feitas pelo PT, não deu muito destaque a Lula e ao que chamou de “falso álibi” e preferiu se apresentar como alguém detentor de uma agenda para combater crime organizado e a corrupção e marcar as diferenças de pensamento, postura e retórica em relação ao futuro chefe, Jair Bolsonaro. Um xeque mate de um enxadrista nato. / Vera Magalhães

 


VOLTAR PARA O ESTADÃO