28.10.2018 | 21h45

Da Vera: Haddad após as 12 badaladas

Depois de fazer um discurso pregando uma ampla frente democrática nas últimas semanas de campanha, Fernando Haddad não telefonou para Jair Bolsonaro para cumprimentá-lo, não reconheceu a legitimidade da vitória em seu discurso e voltou a dizer que Lula foi condenado injustamente e nesta mesma condição ficou inabilitado de concorrer à Presidência.

Não demorou 24 horas, portanto, para demonstrar que o tom mais conciliatório do segundo turno era apenas circunstancial e estratégico. Como na história da Cinderella, Haddad voltou ao que era após as 12 badaladas. / Vera Magalhães


VOLTAR PARA O ESTADÃO