13.02.2019 | 14h01

Da Vera: Filho dinamita volta de Bolsonaro

Qual o sentido de, no dia da volta do pai a Brasília e ao poder, um dos filhos de Jair Bolsonaro, Carlos, incendiar o governo com um tuíte em que chama um ministro que atua no Palácio do Planalto de mentiroso? As rusgas da família com Gustavo Bebianno remontam à campanha e têm aspectos pessoais, mas ganharam novo componente com a suspeita de que o PSL tenha repassado R$ 400 mil do fundo partidário para uma candidata laranja de Pernambuco. Bebianno nega participação no episódio, mas ele foi usado pelos filhos para fustigar o titular da Secretaria-Geral da Presidência junto ao pai.

A gota d’água foi o tuíte de Carlos Bolsonaro detonando Bebianno por declarações em on sobre o episódio. O estouro do filho bagunça o clima no Planalto justamente quando Bolsonaro terá de arbitrar disputas entre a área econômica e a política, dar a palavra final sobre a reforma da Previdência, tentar “empoderar” seu líder na Câmara e designar o do Senado. O pai nem bem desembarcou em Brasília e tem mais essa crise, doméstica e causada por alguém que nem tem cargo no governo, a administrar. Ou o presidente deixa claro aos filhos que eles não têm designação para se meter em assuntos do governo ou as tarefas a enfrentar pelo governo serão ainda mais dificultadas. / Vera Magalhães


VOLTAR PARA O ESTADÃO