05.12.2018 | 14h26

Cresce concentração de renda

Não houve aumento somente de brasileiros vivendo abaixo da linha pobreza no último ano. A concentração de renda também cresceu, informa o Estadão. Considerando a renda total domiciliar por pessoa, o Índice de Gini aumentou de 0,546 em 2016 para 0,549 em 2017 – quanto mais perto de 1,0, maior a desigualdade. O Maranhão é o Estado mais pobre do País, com rendimento domiciliar por pessoa de R$ 710, na média – menos da metade da média nacional em 2017, de R$ 1.511.

O Índice de Palma também cresceu. Ele representa a razão entre a parcela do rendimento apropriada pelos 10% das pessoas com maiores rendimentos em comparação à parcela apropriada pelos 40% com menores rendimentos. Isso significa que os rendimentos dos 20,7 milhões de brasileiros que estão no topo da pirâmide social equivalia, em 2017, a três vezes e meia da renda média dos 82,8 milhões que estão na base das faixas de rendimento.


Mais conteúdo sobre:

desigualdadeGiniPalma
VOLTAR PARA O ESTADÃO