30.09.2018 | 12h59

Constituição ‘muda’ eleitorado pobre

Para a pesquisadora Marta Arretche, é um “equívoco” interpretar a polarização do eleitorado verificada nesta reta final da campanha eleitoral como uma disputa entre extremos de espectros ideológicos, segundo escreve na Folha.

Os eleitores estariam se comportando como nas democracias ditas avançadas: o andar da baixa renda vota em quem oferece bem-estar social, enquanto o de cima escolhe quem freia impostos. A explicação, para a professora da USP, estaria na Constituição de 1988. “É muito razoável supor que a incremental inclusão inaugurada pela Constituição de 1988 tenha alterado as expectativas dos eleitores brasileiros, em particular os de baixa renda.”


Mais conteúdo sobre:

eleições
VOLTAR PARA O ESTADÃO