29.09.2018 | 08h45

Ciro e a ‘organização odienta de poder’

Ao chamar o PT de “organização odienta de poder” Ciro Gomes fez um gesto aos eleitores que estão ainda indecisos e preocupados com a polarização entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad. O cálculo do pedetista é que não há muito espaço para avançar no eleitorado lulista, do qual, segundo aliados, ele reteve uma parcela com suas propostas.

O desafio na última semana é se mostrar uma opção a eleitores que já estiveram com Geraldo Alckmin, Marina Silva ou João Amoêdo e estariam insatisfeitos diante da configuração do segundo turno entre extremos. Para isso, tinha de fazer uma declaração de independência em relação ao mesmo PT que tentou atrair para si no início da campanha. / V.M.


VOLTAR PARA O ESTADÃO