13.11.2018 | 12h13

Chanceler terá muito trabalho

“Na campanha, Jair Bolsonaro já demonstrou potencial para produzir incidentes diplomáticos. O então candidato fez uma série de provocações à China, maior parceira comercial do Brasil. Depois do segundo turno, foi avisado de que as bravatas podem custar caro à economia do País”, escreveu Bernardo Mello Franco no Globo.

Para o colunista, o próximo chanceler enfrentará forte desconfiança externa e precisará conter as declarações do presidente e de seus principais aliados.


VOLTAR PARA O ESTADÃO