14.02.2019 | 17h52

Celso de Mello rebate frase de Damares

O ministro Celso de Mello defendeu o Legislativo como instância decisória da tipificação do crime de homofobia em sessão desta quinta, 14, do STF, apesar de admitir que o Brasil é o País que mais mata travestis e transexuais do mundo. Seu voto foi acompanhado de crítica às “doutrinas fundamentalistas”.

“Essa visão de mundo fundada na ideia artificialmente construída de que as diferenças biológicas entre homem e mulher devem determinar seus papéis sociais, ‘meninos vestem azul, e meninas vestem rosa’, essa concepção de mundo impõe notadamente em face dos integrantes da comunidade LGBT uma inaceitável restrição a suas liberdades fundamentais, submetendo tais pessoas a um padrão existencial heteronormativo incompatível com a diversidade e o pluralismo que caracterizam uma sociedade democrática, impondo-lhes ainda a observância de valores que além de conflitar com sua própria vocação afetiva, erótico-afetiva conduzem à frustração de seus projetos pessoais de vida”, disse ele em voto previsto para ser finalizado na semana que vem.

 

 

VOLTAR PARA O ESTADÃO