12.02.2019 | 12h32

Caso Coaf travou durante eleição

Segundo dados do MP-RJ, a investigação sobre a movimentação atípicas nas conta bancária de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), desacelerou de agosto a novembro do ano passado, período que compreende a campanha eleitoral. O MP-RJ não comentou a desaceleração do procedimento durante a eleição, segundo a Folha.

Segundo histórico divulgado pela Promotoria, foram produzidos cinco relatórios financeiros de janeiro a 6 de agosto. Após isso, Queiroz foi notificado a depor apenas em 22 de novembro, três semanas depois do segundo turno da eleição. Nesse intervalo, não há nenhuma outra movimentação relevante dos promotores formalizada no procedimento, segundo os dados divulgados.


VOLTAR PARA O ESTADÃO