08.02.2019 | 23h00

Carta do BR18: Bolsonaro melhora, mas governo segue em compasso de espera

Por Vera Magalhães*

Com o governo e a articulação política em compasso de espera, a melhora no quadro clínico de Jair Bolsonaro foi uma boa notícia para encerrar a semana. Isso porque a desconfiava em relação ao vice, general Hamilton Mourão, é grande no entorno bolsonarista a ponto de que nem se cogite que ele assuma a Presidência enquanto Bolsonaro se recupera plenamente, o que seria o mais corriqueiro. O presidente se recupera da pneumonia, retirou a sonda nasogástrica e não voltou a apresentar febre.

O cronograma da reforma da Previdência já foi atrasado: agora fala-se em enviar a proposta ao Congresso entre os dias 19 e 21. Sempre a depender da possibilidade de Bolsonaro dar a palavra final sobre o texto. Também seguem as dúvidas quanto à base aliada do governo: com o líder na Câmara, deputado Major Vitor Hugo, questionado, é difícil saber qual o contingente de deputados de fato disposto a votar a favor da reforma.

Também continua o debate sobre a conveniência de se enviar ao mesmo tempo ao Congresso a reforma e o pacote anticrimes de Sérgio Moro.


Enquanto isso, longe dos gabinetes de Brasília, mais uma tragédia paralisou o país. O incêndio no centro de treinamento do Flamengo que matou 10 jovens jogadores das categorias de base fez os políticos se manifestarem. Além do presidente Jair Bolsonaro e de Mourão, que é flamenguista, o governador do Rio, Wilson Witzel pediu uma investigação minuciosa sobre o fato. Como no caso de Brumadinho e das mortes provocadas pelas enchentes no Rio não há como falar em fatalidades: o conjunto de descaso de empresas, entidades e poder público leva à repetição de tragédias que poderiam ser evitadas com fiscalização, controle e cuidado pela vida humana. Os fatos da sexta-feira estão na newsletter do BR18!

*Colaborou Gustavo Zucchi

VOLTAR PARA O ESTADÃO