11.08.2019 | 19h20

Captura política da Lava Jato

A Operação Lava Jato cometeu o erro de deixar-se usar pela política, analisa a colunista Míriam Leitão, em O Globo. Segundo a jornalista, o maior perigo à operação está dentro de casa, não fora, como bradam os integrantes da força-tarefa. Da equipe, o procurador da República Deltan Dallagnol deveria, para a colunista, pedir afastamento do grupo (enquanto procuradores o aconselham a fazer um curso fora, segundo Lauro Jardim) à luz dos vazamentos do site The Intercept Brasil. Quanto ao hoje ministro Sergio Moro, que enquanto juiz dizia estar cansado de levar “bola nas costas”, “é o que mais tem feito atualmente. Se foi para o governo de olho numa vaga no STF, calculou errado: o tempo de espera é longo e para ele ter o prêmio terá que sempre fechar os olhos para os inúmeros fatos que antes condenava: o laranjal do ministro do Turismo, a rachadinha no gabinete do filho do presidente, as inúmeras vezes em que o presidente feriu o princípio da impessoalidade”.

Para Míriam, desde que Moro assumiu, “só se enfraqueceu. Esta semana foi fritado pelo presidente: “Entendo a angústia do Moro, mas ele não julga mais ninguém”. Moro entregou sua toga e agora tem que ouvir isso do governante ao qual aderiu”.


Mais conteúdo sobre:

sergio moro Deltan Dallagnol Lava Jato
VOLTAR PARA O ESTADÃO