18.10.2018 | 12h23

‘Candidatas laranjas’ são realidade

‘Candidaturas laranjas’ não são novidade no País, mas recentemente, com a regra para partidos preencherem 30% de suas vagas com mulheres, suspeitas de fraude se avolumam, como as que pairam sobre a disputa por uma vaga na Assembleia Legislativa do Amapá pelo PTC, como mostra o Estadão.

“O partido não me ajudou em nada. No final, votei no meu marido”, afirma a pedagoga Ana Cláudia de Sá. Com exceção de quatro das 21 candidatas do partido, todas não arrecadaram nem gastaram nada. Além do PTC, o Podemos e o Democracia Cristã tiveram o maior número de candidatas sem votos.


VOLTAR PARA O ESTADÃO