24.09.2018 | 07h27

Campo reformista fragmentado

O campo reformista se fragmentou, mas ainda pode definir o primeiro turno, aposta o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung (MDB), um dos que encabeçam o movimento pela união das agendas dos candidatos do chamado centro, juntamente com FHC. Em entrevista ao Estadão ele afirma acreditar que ainda haja tempo para que esse campo evite um segundo turno radicalizado entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad.

“A primeira coisa que a gente tem que olhar é o seguinte: o que essas candidaturas extremistas estão defendendo para a economia. Deixando de lado um pouco a superficialidade da abordagem, quando você olha os projetos, eles não ficam de pé. Não são consistentes”, afirma.


VOLTAR PARA O ESTADÃO