09.09.2018 | 08h22

Campanha do hospital e da carceragem da PF

Em artigo publicado no Estadão neste domingo, 9, a colunista Vera Magalhães, também do BR18, afirma que a menos de um mês das eleições os parâmetros são inéditos e não permitem previsões. Segundo ela, a eleição presidencial de 2018 “passará à História como aquela que foi ditada, em sua maior parte, de dentro da carceragem da Polícia Federal e, em sua reta final, de um leito hospitalar”.

“O atentado contra Jair Bolsonaro foi o mais dramático episódio de um processo já eivado de ineditismos – políticos, jurídicos, institucionais, sociológicos, econômicos – e já marcado pela polarização do eleitorado”, afirma. “O resultado a longo prazo da tentativa de assassinato do líder nas pesquisas, logo depois da interdição do outro pela Justiça Eleitoral, é imprevisível. Como ocorreu num prazo curtíssimo até que os brasileiros tenham de ir às urnas, o que se terá será um pouso eleitoral por instrumentos, dadas as condições climáticas adversas.”


Mais conteúdo sobre:

Vera MagalhãesBolsonaroLulaTSE
VOLTAR PARA O ESTADÃO