05.11.2018 | 16h19

Brasil pega onda conservadora

O sociólogo português Boaventura de Sousa Santos lembra que os EUA têm total interesse em minar as forças chinesas para manter a hegemonia do dólar. Para isso, podem se valer de aliados, como o marqueteiro Steve Bannon, ex-assessor de Donald Trump e impulsionador do bloco de extrema-direita The Movement, baseado em Bruxelas para atrair os eurocéticos à causa nacionalista norte-americana.

Nesse contexto, o Brasil é mais um exemplo dessa onda conservadora, que “tenta acabar com a distinção entre ditadura e democracia”. O problema, segundo o acadêmico de 77 anos, é que “a democracia liberal não sabe defender-se dos antidemocratas, de antissistemas como Trump ou Bolsonaro, que se aproveitam do sistema. A opinião pública é destruída com notícias falsas que transformam o adversário em inimigo; com o adversário se discute, o inimigo se destrói”, segundo afirma ao El País.


Mais conteúdo sobre:

Donald TrumpJair Bolsonaro
VOLTAR PARA O ESTADÃO