18.02.2019 | 18h37

Bolsonaro vira seu próprio articulador

Com sua coordenação política inexistente e com o governo mergulhado na crise do ministro Gustavo Bebianno, Jair Bolsonaro começou a assumir ele próprio o papel de articulador das propostas de interesse do governo. Para fazer um gesto de reverência ao Congresso, o presidente decidiu levar ele próprio a proposta de reforma na quarta-feira e entregá-la aos parlamentares.

Mas, antes disso, Bolsonaro marcou reuniões com bancadas de partidos aliados para pedir apoio à proposta e deixar para trás a agenda negativa provocada pela crise Bebianno. Não é a primeira vez que presidentes chamam para si a responsabilidade da articulação política. Fernando Henrique, Lula e Michel Temer, por exemplo, faziam isso constantemente. Mas todos tinham líderes no Congresso para ajudá-los na tarefa. Bolsonaro, até agora, está tendo de jogar sozinho nessa tarefa. /M.M.


Mais conteúdo sobre:

BolsonaroCrise BebiannoCongresso
VOLTAR PARA O ESTADÃO