06.09.2018 | 07h47

Bolsonaro: meio cheio e meio vazio

Se oscilou positivamente nas intenções de votos, Jair Bolsonaro também viu crescer sua rejeição na pesquisa Ibope. O instituto não mediu a evolução desse indicador porque, no levantamento anterior, de agosto, ainda havia o ex-presidente Lula entre os candidatos apresentados aos eleitores para que respondessem em quais (é possível apontar mais de um) não votariam de jeito nenhum. Bolsonaro tinha 37% de rejeição em meados de agosto, e registrou 44% agora.

Mas também cresceu o percentual dos que veem o candidato do PSL como aquele com mais chance de vencer a eleição. Sua expectativa de vitória estava em 27% em agosto, e subiu para 38% sem Lula no páreo. / V.M.


VOLTAR PARA O ESTADÃO