21.02.2019 | 07h34

Bolsonaro como ‘capitão’

Jair Bolsonaro dá mostras de que pretende assumir ele mesmo a articulação política necessária para a aprovação da reforma da Previdência. Analisando os últimos episódios da “audionovela” da demissão de Gustavo Bebianno e a conclusão, a partir deles, de que Bolsonaro ainda não “institucionalizou” seu papel de presidente, William Waack observa em sua coluna no Estadão que trata-se de um “desafio e tanto”. “Bebianno diz que chamava Bolsonaro sempre de “capitão”. É um título de forte apelo positivo. O capitão do avião, do navio, do time. A figura da autoridade, comando e respeito. Na acepção puramente militar do termo, capitão ainda é um oficial júnior que, por mais brilhante que seja, não tem o sentido de direção e a visão abrangentes dos oficiais superiores.


VOLTAR PARA O ESTADÃO