19.02.2019 | 08h39

Bebianno não é único expurgado

O episódio da demissão de Gustavo Bebianno não significa o expurgo de um único aliado. O suplente de Flávio Bolsonaro, Paulo Marinho, que se aproximou do clã Bolsonaro a ponto de ajudar na produção dos programas de TV na campanha, ceder sua casa para reuniões e ser escolhido primeiro suplente na chapa de Flávio Bolsonaro ao Senado é outro que se afasta da família com a demissão do amigo.

O rompimento com o suplente se dá num momento em que Flávio Bolsonaro pode enfrentar questionamentos ao mandato em razão dos desdobramentos da investigação do caso Fabrício Queiroz. Em menos de dois meses de mandato, dois aliados que tiveram papel fundamental na campanha já estão no time dos desafetos do governo. / V.M.


VOLTAR PARA O ESTADÃO