09.03.2019 | 10h26

Bancada evangélica quer seu lugar ao sol

Inquieta com a falta de cargos e interlocução com o governo, a bancada evangélica da Câmara dos Deputados estabeleceu um limite do apoio oferecido ao presidente Jair Bolsonaro: só aprovarão pautas de costume. O resto será tratado com rigor enquanto forem patinhos feios.

O deputado Marco Feliciano (Podemos-SP) reclamou ontem da comunicação da Presidência e Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ) usou um tom ameaçador: “Matérias como a da Previdência, sem diálogo, ninguém coloca o dedo”, disse ele ao Estadão. O presidente, no entanto, fez um gesto de agrado ao grupo ao anunciar que vai publicar uma nova versão da Caderneta de Saúde do Adolescente, uma vez que a atual tem imagens “inapropriadas” de como os jovens devem se proteger de doenças sexualmente transmissíveis e gravidez indesejada.


Mais conteúdo sobre:

bancada evangélicaBolsonaro
VOLTAR PARA O ESTADÃO