23.10.2018 | 11h56

Autocrítica sobre meio digital

Já chamado lá trás de “serviço pirata” pelo ex-presidente da Vivo Amos Genish, o WhatsApp talvez careça de “regulação ou supervisão”, escreve Raquel Balarin, no Valor.

Sobre o avanço das notícias falsas, ela afirma que seja “resultado de um ambiente de transição em um meio de larga escala, o digital. Por isso, é importante que cada um de nós faça sua autocrítica e que se tenha em mente que, acima de tudo, deve-se preservar a democracia”, afirma a diretora de conteúdo digital da publicação.


Mais conteúdo sobre:

whatsappnotícia falsa
VOLTAR PARA O ESTADÃO