13.09.2018 | 11h01

Ativismo feminino na política

“Metade (49%) das entrevistadas pelo Datafolha, na segunda (10), disse que não votaria no deputado ‘de jeito nenhum’. Entre as mais jovens (16 e 24 anos) a rejeição bate em 64%, contra 37% entre as mais velhas (acima de 60). Fica claro que as novas gerações são críticas e refratárias a candidatos que demonstram visão e atitudes machistas num mundo que se deseja mais igualitário”, escreveu Mariliz Pereira Jorge na Folha.

A colunista reflete sobre a rejeição feminina a Jair Bolsonado (PSL), cita o grupo “Mulheres Unidas Contra Bolsonaro” e relaciona com o dia seguinte a posse de Donald Trump, quando as mulheres saíram às ruas para protestar contra o eleito. Também aponta que esses são sinais de que “o ativismo feminino e jovem na política do século 21 será transformador”.


VOLTAR PARA O ESTADÃO