01.11.2018 | 14h14

Até corte de ministérios na ‘linha de tiro’

O Brasil se tornou mesmo um país complicado. Até decisões que estão em linha com tudo o que todo mundo sempre defendeu viram alvo de críticas de todos os lados. Veja-se o plano anunciado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro, de reduzir o número de ministérios de 29 para 15, para tornar gestão mais eficiente, reduzir custos e mostrar, pelo exemplo, que o governo está empenhado em cortar a própria carne.

De repente, em vez de ele receber aplausos pela decisão, passa a ser criticado por isso. A esquerda grita, os lobistas protestam e parte da mídia — que vivia cobrando a diminuição do número de ministérios — reclama. Não importa que a medida seja adotada com sucesso em boa parte do mundo. Ou que o alto número de ministérios só faça sentido para o governo poder usá-los em troca de apoio parlamentar, no sistema do toma lá, dá cá. Só pode ser a tal da “resistência” de que falam por aí em plena atividade. / José Fucs

 

 

VOLTAR PARA O ESTADÃO