21.09.2018 | 19h07

Ainda tem muita campanha pela frente

Nenhuma eleição é igual a desse ano. Com tantas reviravoltas e fatores imprevisíveis ocorrendo todo o tempo – Jair Bolsonaro esfaqueado e Lula preso, apenas para dar exemplo – é impossível garantir que uma nova mudança não possa acontecer.

Fernando Haddad passou a se apresentar como candidato há poucos dias e estará sujeito a desgaste, a partir de agora. Já Bolsonaro, precisa lidar com sua enorme rejeição e com pesadas campanhas contrárias lideradas por Geraldo Alckmin. É a evolução dessas estratégias, na próxima semana, que vai dizer quem terá fôlego para sobreviver ao primeiro turno. /M.M.


VOLTAR PARA O ESTADÃO