27.03.2018 | 16h03

A Opinião do Estadão: ‘Confusão com as urnas’

Em editorial publicado nesta terça-feira, 27, o Estadão comenta os pedidos pelo retorno do voto em papel. Leia trecho:

“Os advogados dessa volta ao passado partem do princípio de que o voto eletrônico não é passível de verificação posterior. Ou seja, não seria possível proceder à contagem pública dos votos, como se fazia antigamente, em ginásios apinhados de fiscais dos partidos e de funcionários a serviço da Justiça Eleitoral. Para os saudosistas, se não há publicidade sobre o escrutínio, isto é, sobre a contagem dos votos, jamais se terá a certeza da lisura do pleito.

Ora, dúvidas sobre a lisura da eleição podia haver quando a apuração dos votos se dava por meio da manipulação das cédulas, sujeita a todo tipo de fraude.”


Mais conteúdo sobre:

VotoUrna eletrônica
VOLTAR PARA O ESTADÃO