20.09.2018 | 08h36

A importância do eleitor ‘nem nem’

Em artigo na revista Piauí, o cientista político Marcos Nobre avalia os possíveis efeitos da polarização da eleição entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad. A principal questão que aponta é relativa ao comportamento do que chama de eleitor “nem nem”, aquele que rejeita as duas opções e não gostaria de votar nem em um nem noutro no segundo turno.

“Os dois polos que se consolidam como líderes têm de dedicar o máximo de tempo que puderem a lançar pontes para essa parcela do eleitorado já no primeiro turno. Uma das estratégias mais importantes para atrair o eleitorado “nem nem” é conseguir convencer de que a vitória de sua candidatura não significará governar apenas para seu próprio polo ou para destruir o polo derrotado”, escreve.


VOLTAR PARA O ESTADÃO