09.10.2018 | 17h35

A guerra recomeçou nas redes

No dia em que Fernando Haddad propôs um pacto com Jair Bolsonaro contra a disseminação de notícias falsas, o presidenciável do PSL descartou a proposta, alegando que o próprio adversário propaga fake news a seu respeito, e o chamou de “canalha” por divulgar “mentiras descaradas”. No dia seguinte, o filho Carlos acrescentou: “Vagabundo”.


Colocando-se como se fosse um santo em meio à “guerra suja” de Bolsonaro, Haddad tem afirmado em seu perfil no Twitter que “o radicalismo está do lado de lá” e que espera que o candidato do PSL vá aos próximos debates. Esquece-se, porém, de que ele mesmo não foi aos primeiros encontros entre os presidenciáveis na TV, poupando-se de confrontos inconvenientes, porque ainda era o vice da candidatura fictícia de Lula.

 

 

VOLTAR PARA O ESTADÃO