11.10.2018 | 14h23

A festa da vitória que não houve

O presidenciável Jair Bolsonaro, sua família e sua equipe de campanha estavam tão confiantes que a fatura seria liquidada no 1º turno, assim como muitos de seus eleitores, que deixaram tudo preparado para a festa da vitória. Segundo reportagem de Consuelo Dieguez, da revista Piauí, cerca de trezentas pessoas haviam sido convidadas para acompanhar a entrevista coletiva que Bolsonaro daria após a apuração, no Hotel Windsor, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, ao lado do condomínio em que ele mora.

De acordo com a jornalista, porém, tudo isso se provaria inútil, com a confirmação de que haveria segundo turno. Ao final, em lugar de Bolsonaro, que não apareceu, estiveram lá o deputado Onyx Lorenzoni, do DEM, apontado como ministro da Casa Civil num governo Bolsonaro; o ruralista Nabhan Garcia, citado como ministro da Agricultura, o presidente do PSL, Gustavo Bebianno,  o empresário Paulo Marinho e o sargento do Exército Hélio Bolsonaro, que adotou o sobrenome do candidato. / J.F.


VOLTAR PARA O ESTADÃO