21.11.2018 | 19h19

‘A farra das progressões e perdões de penas’

O coordenador da Força Tarefa da Lava Jato e procurador Deltan Dallagnol não escondeu sua indignação com o caso de um ex-major da PM, que cumpriu apenas oito anos de uma pena de 32 anos por assassinato de um procurador que investigava seu envolvimento no célebre Escândalo da Mandioca, nos anos 80. O ex-major morreu ontem.

“Preso por homicídio do procurador da república e condenado a cumprir 32 anos, cumpriu apenas 8 e foi indultado, segundo a notícia. É a farra das progressões e perdões de pena no Brasil”, criticou. /M.M.

 

 

Mais conteúdo sobre:

Deltan Dallagnol
VOLTAR PARA O ESTADÃO