30.07.2018 | 08h51

A estratégia de sobrevivência dos nanicos

O Brasil tem 35 partidos, mas apenas uma parte ínfima deles participa com relevância das eleições para o Executivo. Fernando Limongi analisa, no Valor, como a estratégia de focar no Legislativo faz sentido para a sobrevivência das legendas menores.

O colunista resume: “A distribuição de recursos públicos aos partidos brasileiros leva em conta votos e cadeiras obtidas nas eleições para a Câmara dos Deputados. Assim, os partidos que focalizam seus esforços nessa disputa acabam beneficiados: recebem mais e têm gastos menores.”


VOLTAR PARA O ESTADÃO