10.09.2018 | 16h31

A batalha de Bolsonaro contra ele mesmo

Em artigo publicado em seu blog no site G1, o jornalista Helio Gurovitz, também colunista do Estadão, diz que, passado o choque do atentado a Jair Bolsonaro, as próximas pesquisas deverão confirmar a sua liderança na corrida ao Palácio do Planalto. Segundo ele, espera-se também que tenha caído sua rejeição, principal empecilho a uma eventual vitória no segundo turno. “Antes, ele entraria na disputa final como azarão; agora, é provável que entre como favorito”, diz.

Gurovitz afirma, porém, que seu favoritismo não significa que a eleição esteja ganha. Ele lista três obstáculos para Bolsonaro chegar lá. O primeiro é sua própria saúde. O segundo tem a ver com as estratégias adotadas por seus adversários daqui para frente, em especial Geraldo Alckmin, do PSDB. O terceiro é o próprio Bolsonaro. “Para vencer, ele precisa convencer um eleitor que, até a semana passada, continuava desconfiado. Convencer o eleitor resistente implica dar um passo rumo ao centro, não a um discurso ainda mais radical”, afirma. / J.F.


Mais conteúdo sobre:

Bolsonaropesquisasatentadoalckmin
VOLTAR PARA O ESTADÃO