05.11.2018 | 08h52

Imprensa e eleição

“Muitos são os recados dessa eleição disruptiva: partidos tradicionais, velhos caciques da política e gurus do marketing, habituados ao conforto das jogadas previsíveis, estão nocauteados”, escreveu Carlos Alberto di Franco no Estadão.

Para o colunista, esta eleição pôs em xeque o papel do instinto jornalístico. O papel assumido pelas redes sociais reformulou a importância da imprensa. É neste cenário que as corporações jornalísticas precisam se reinventar colocando, de preferência, as audiências no centro do processo.


VOLTAR PARA O ESTADÃO