29.10.2018 | 08h06

Nova direita, velha esquerda

“O quadro eleitoral mudou a face do País. Novos parlamentares, novos governantes. Os padrões que vinham orientando a conduta dos políticos sofreu uma brusca transformação, desde a importância da televisão, que perdeu a sua força em detrimento das redes sociais, até a afirmação do antipetismo como ideia transformadora”, escreveu Denis Rosenfield no Estadão.

O colunista apresenta duas correntes daquilo que chama de “nova direita” e fala que, no próximo período, caberá à esquerda se reinventar.


VOLTAR PARA O ESTADÃO