28.08.2018 | 10h01

O uso da religião na campanha

“Púlpito e palanque devem estar distantes. O uso da Bíblia e da religião serve para atemorizar ou enganar eleitores. Isso ameaça a soberania do voto”, alerta Míriam Leitão no jornal O Globo. A colunista discute as diferentes abordagens dos candidatos em relação ao tema, e conclui que, enquanto Marina Silva e Geraldo Alckmin procuram separar Estado e Igreja, Jair Bolsonaro alimenta a mistura, sem esclarecer suas posições, tentando agradar a católicos, evangélicos e protestantes.


VOLTAR PARA O ESTADÃO